cordel06

Minelvino Francisco Silva
"O trovador apóstolo"

Existe um velho ditado
E é a coisa certa que acho,
Moça não casa com cobra
Por não saber qual macho
Mas o tempo foi passando
Agora já está casando
Seja no alto ou no baixo.

Num certo reino existia
Um rei de alto valor,
Esse tinha um filho único
Para ser seu sucessor,
Quando o tempo completasse
Que aquele rei faltasse
Seria o imperador.

.

Porém quando o rei morreu
Uma bruxa horrosa,
Para usurpar o reino
Fez uma mágica penosa
Aquele príncipe encantou
Conforme o que planejou
Numa cobra monstruosa.

O príncipe se virou cobra
Logo assim que o rei morreu
Entrou pela mata a dentro
Dali desapareceu,
Pra ser o rei logo a bruxa
Com sua boca mucha
Elegeu um filho seu.

Passando tempos e tempos
Desse grande encantamento,
Em outro reino distante
Começou o assombramento,
Cada uma moça dizia
Que uma cobra aparecia
E pedia-a em casamento.

Cada moça camponesa
Trabalhando com a enxada,
Quando a cobra aparecia
Ficava muito assutada,
A cobra nesse momento
Pedia-se em casamento
Corria a moça assombrada.

Nesse lugar existia
Uma mocinha catita,
Que se chamava Maria
Parecia uma pepita,
Devido sua beleza
O povo da redondeza
Chamavam Maria Bonita.

Era muito pobrezinha
Que na roça trabalhava,
O seu pai era aleijado
Muito pouco lhe ajudava,
E Maria se acabando
Na enxada trabalhando
Com isso os dois sustentava.

Maria smpre dizia
Naquele mesmo momento:
Tomara que essa cobra
Veja o meu padecimento
Se caso me obedeça
Um dia me pareça
E me peça em casamento.

Quando foi no outro dia
Isso mesmo aconteceu,
Maria estava na roça
Quando a cobra apareceu
Vindo de lá do rochedo
Ela teve tanto medo
Que o corpo estremeceu.

A cobra disse Maria
Não tenha medo de mim,
Eu sou um príncipe encantado
Por um coração ruim
Sofro tremendo castigo
Mas se tu casar comigo
Teu sofrimento eu dou fim.

Dou-te ouro e diamante
Pra você se melhorar,
Comprar um prédio bonito
Na cidade e mobiliar,
Sem outro apelo qualquer
Só basta dizer que quer
Comigo se esposar.

Maria lhe disse: eu quero
Com muito gosto e prazer,
Já que você me garante
Que assim não vai morder,
Disse a cobra: eu te garanto
Que vamos viver num canto
Sem nada mais padecer.

Disse a cobra: você vai
Hoje com seu pai falar,
Não fale mais com ninguém
Para não atrapalhar,
Amanhã venha voltando
Que estou te esperando
Aqui no mesmo lugar.

Maria chegando em casa,
Quando com o pai falou,
Que ía casar com uma cobra
O velho pai se zangou,
E disse: você está louca
Porque veio abrir a boca
E esta besteira saltou.

Eu não não quero mais ouvir
Falar nesta tal serpente,
Quando foi no outro dia
Ela voltou novamente,
Fazendo a mesma manobra
Encontrou-se com a cobra
E lhe falou tristemente.

O meu pai não aceitou
Esse nosso casamento,
Disse a cobra: ele aceita
Com todo contentamento,
Ele acha intereressante
Quando ver tanto brilhante
E num belo apartamento.

Amanhã lá no seu quarto
Quando o dia amanhecer,
Uma caixa de brilhante
Logo vai aparecer,
Pra nossa felicidade
Você compre na cidade
O prédio que escolher.

Depois de comprar o prédio
Faça outro movimento,
Vá a Igreja e fale ao padre
Sem haver acanhamento
Ver se pode o convencer
Que ele possa fazer
Este nosso casamento.

Quando foi no outro dia
Logo assim que amanheceu,
Lá no quarto de Maria
Uma caixa apareceu,
Ela aí mostrou ao pai
O velho quase que cai
Vendo o que aconteceu.

De outro prata e brilhante
Tinha grande quantidade,
Maria comprou um prédio
O mais alto da cidade,
Depois seguiu para a Igreja
Para enfrentar a paleja
E explicar a verdade.

Chegou lá falou ao padre
Que queria se casar
Porém era com uma cobra
Não fosse se assustar,
Que depois de está casado
Aquele príncipe encantado
Ía se desencantar.

O padre disse: minha filha
E o mais difícil que acho,
Primeiro você não sabe
Se a cobra é fêmia ou macho
Serpente é coisa do cão
Que quer fazer tentação
Pra você ficar por baixo.

A moça lhe disse: padre
Lhe afirmo nesse instante.
Faça o meu casamento
Com a cobra meu amante,
Me ajude na peleja
Que darei pra sua Igreja
Meio quilo de brilhante.

Disse o padre: sendo assim
Vou quebrar o encantamento,
Traga esta cobra aqui
Junto ao Santo Sacramento
Se ela me replicar
Tudo que eu perguntar
E farei seu casamento.

Quando foi no outro dia
A mesma moça chegou
Toda trajada de noiva
Muita gente convidou,
Logo foi se ajoelhando
E o padre admirando
Pelo seu noivo esperou.

Quando o povo estava ali
Uma cobra apareceu,
Dum tamanho descomunal
O povo todo correu,
Pegaram pau para matar
Maria pôs-se a gritar:
Não matem que o noivo é meu.

Por um pedido do padre
O povo se acomodou,
Você acredita em Deus?
O padre lhe perguntou,
A cobra respondeu: sim
Mostrando não ser ruim.
Que o padre admirou.

Você promete que ama
Esta moça de verdade,
Na saúde na doença
Com toda sinceridade?
A cobra respondeu: sim
Quero ela para mim
Com toda amabilidade.

Em nome de Deus declaro
Como marido e mulher,
A cobra soltou umgrito
Como pessoa qualquer,
Logo aí desencantou-se
Em um príncipe transformou-se
Dizendo: é de colher.

Alí a música tocou
E já tinha uma carroagem,
Lá na porta da Igreja
Para seguirem viagem
Pra no seu reino chegar,
E o pessoal o coroar
Levando maior vantagem.

Dali em diante as moças
Daquele inculto lugar,
Todas íam atrás de cobras
Para com elas casar,
Porém as cobras corriam
Mas não podiam pegar.

FIM

  • Criado em .
© Copyright 2012/2017 FICC
Todos os direitos reservados.

Praça Laura Conceição, 339
Centro - Itabuna/BA
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
(73) 3613-4915

Receba todas as informações da FICC em seu emails.
Cadastre seu email no formulário ao lado.

Newsletter

© Copyright 2012/2017 FICC
Todos os direitos reservados.
Praça Laura Conceição, 339, Centro
Itabuna/BA
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
(73) 3613-4915
X

Right Click

No right click