cordel01Minelvino Francisco Silva
"O trovador apóstolo"

A mãe que xinga o seu filho
É pecado mortal,
Porque atrai para ele
O mais temeroso mal
E é sujeito a um castigo.
De Deus Pai Celestial.

Existe muitas mulheres
Que xingam os filhos seus,
Nomes de tremer a terra
Faz pior do que os ateus,
Sem temer ser atingidas
Por um castigo de Deus.

.

Agora mesmo em São Paulo
Sexta-feira da Paixão,
Do ano setenta e cinco
Assim diz a multidão,
Uma mulher teve um filho
Com chifre, rabo e esporão.

Dizem as más línguas que um homem
Tinha uma mulher xingadeira
Xingava por esporte
Ou mesmo por brincadeira,
Nunca se viu outra igual
Nesta terra brasileira.

Pois ela xingava o fogo
A panela e a bacia,
Xingava os pratos e a mesa
Com a carne que comia,
Pois ela xingava até
Mesmo a água que bebia.

Ela xingava as cadeiras
Com a cama e o colchão,
A coberta e o leçol.
A conzinha e o fogão,
Xingava até a farinha
Com o arroz e o feijão.

Quando o marido falava
Que assim não ía bem,
Pois o nome do maldito
Não abençoa a ninguém,
Ela ainda mais se zangava
E xingava ele também.

Certa vez essa mulher
Em estado enteressante,
Pra ter o primeiro filho
Para todos muito importante,
Mas ela xingava ele
Na barriga todo instante.

Até que um certo dia
Sexta-feira da paixão
O homem disse: mulher
Preste-me bem atenção,
Vamos hoje para a Igreja
Assitir a explicação.

Comemoramos a morte
Do divino salvador,
Vamos pra ver na Igreja
Com sentimento e amor,
Quanto o Bom Jesus sofreu
Pra salvar o pecador.

Ela mostrou pra barriga
E disse nesta razão:
Eu só posso passear
Quanto tiver esse cão,
Que veio me atrapalhar
E fazer condenação.

O homem disse: mulher
Que coisa mais horrorosa!
Não diga com nosso filho
Esta palavra penosa,
Peça perdão a Jesus
E nossa Mãe Poderosa.

Disse ela: eu já disse
E agora vou repetir,
Só pode ser o diabo
Que tenho comigo aqui,
Que bole a noite todinha
Quase não deixa eu dormir.

Quando ela foi a meia noite
Essa mulher piorou,
Sua barriga cresceu
E lá dentro começou,
Um ronca-ronca danado
Que o homem quase assombrou.

Depressa pegou um carro
Levou-a para o hospital,
Chegando lá o doutor
Fez o exame legal,
E disse: misericórdia
Parece coisa infernal.

A coisa não está boa
Pra nascer este fulano,
O jeito é chamar por Deus
O nosso Pai Soberano,
E apelar no momento
Pra o parto cesariano.

E assim mesmo ele fez
Deu começo a operação,
Com pouco tirou o moleque
De rabo, asa e esporão,
Com dois chifres na cabeça
Pretos da cor de carvão.

O médico disse: danou-se
Assim não pode ficar,
Com esse moleque vivo
vai tudo se complicar,
Eu vou dar uma injeção.
Pra ver se posso o matar.

Foi pegando uma injeção
Daquelas que extermina,
E aplicou no moleque
Para cortar a sua sina
Mas ele sorriu e disse:
Pra mim é vitamina.

Disse o médico: está danado
Isto assim não pode ser,
Foi gritando ao enfermeiro
Por esta forma a dizer,
Traga uma jaula de ferro
Para este negro prender.

O enfermeiro que ouviu
Depressa correu lá dentro,
E trouxe a jaula de ferro
Disse o moleque: eu não entro
Disse o doutor: Voce entra
E vai ficar bem no centro.

Em nome de Jesus Cristo
Voce vai entrar agora,
O moleque disse: eu entro
Mais depois eu caio fora,
Só vou ficar sete dias
Depois disso eu vou embora.

O moleque deu um pulo
Depressa na jaula entrou,
O médico bateu a porta
Ligeiramente o trancou,
O negro deu uma dentada
Num ferro que o envergou.

Continua esse moleque
Dentro dum quarto trancado,
Naquela jaula de ferro
Pula mais do que um veado,
Ronca mais do que barrão
Por um cachorro acuado.

Se isto não for verdade
Esta história que rimei,
Não sou eu o mentiroso
Pois nada presenciei,
Apenas estou vendendo
Pelo preço que comprei.

O povo é quem conta isto
Que em São Paulo se deu,
Pois um menino de chifre
Em São Bernanrdo nasceu,
E a mulher xingadeira
Foi triste o castigo seu.

De qualquer forma é exemplo
Ou uma grande lição,
Para todas as mulheres
De pouca compreeção,
Que deixam o nome de Deus
Para chamar pelo cão.

Por qualquer tolice
Chama os filhos de diabo,
De outro muito mais feio
E ainda muito mais brabo,
Deste jeito só terá
É o filho com chifre e rabo.

Por isso mães de famílias
Tomem os conselhos meus,
Não chamem nome horríveis
A nenhum dos filhos seus,
Não devemos esquecer
É o santo nome de Deus.

Deus é quem nos dar saúde,
Deus é quem nos dar o pão,
Deus é quem nos dar a sorte,
Deus é quem dar-nos perdão,
Deus é quem nos dar a vida
E ainda a salvação.

Jesus disse aqui na terra
Nos ensinamentos seus,
A todo povo gentio
E a todos os fariseus,
Que o mais difícil ao homem
Facilmente é para Deus.

Jesus disse que um inseto
Por menor que seja ele,
Deus sabe que ele existe
E está cuidando dele,
Quanto mais sendo um cristão
Seja este ou seja aquele.

Portanto vamos a Ele
Sem sair fora dos trilhos,
Ralar no chão de joelhos
Pedindo por nossos filhos
Que prontamente ele dar
Compreenção, saúde e brilhos.

Se temos um filho mau
Que seja descompreendido,
Que luta contra os seus pais
E faz papel de bandido,
Com o poder da oração
Tudo será resolvido.

Pois Jesus disse na terra
Em uma bendita hora,
Que quem pede coisa a Deus
Ele atende sem demora,
E qualquer que for a Ele
Não será lançado fora.

Portanto chamem por Deus
Que pode a todos salvar,
Deixem o nome maldito
Não queiram se condenar,
Deus nos dar tudo de bom
Maldito não tem o que dar.

Ele é o pai da mentira
Ele não terá riqueza,
Ele é o ente mais pobre
Que ficou por natureza,
Perdeu a graça de Deus
Ele é o maior na pobreza.

FIM

  • Criado em .
© Copyright 2012/2017 FICC
Todos os direitos reservados.

Praça Laura Conceição, 339
Centro - Itabuna/BA
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
(73) 3613-4915

Receba todas as informações da FICC em seu emails.
Cadastre seu email no formulário ao lado.

Newsletter

© Copyright 2012/2017 FICC
Todos os direitos reservados.
Praça Laura Conceição, 339, Centro
Itabuna/BA
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
(73) 3613-4915